Archive for the Lilac Category

Posted in Lilac on janeiro 10, 2012 by meuparedro





Não devia ter deixado a montanha
por essas luzes frias.
Sonhos dopados corações partidos.
Esparadrapos psicológicos para todas as coisas.
Besteira minha, trocar o fim de tarde
por pedaços de semana onde o sol é falso.
Cerveja aguada jogos sensuais.
Eu estou bem, apesar de tudo.
Mas o apesar de tudo representa apenas alguns centímetros.
Estou bem durante este instante.
Ele preenche a minha mente, talvez tenha que ser assim.
Mas eu sei, tenho que sair do redemoinho
e achar o meu caminho de volta.

A montanha espera em nuvens fracas
e brilha suas noites com a lua e as estrelas.
Pelos anos, a certeza da fuga.



Anúncios

Posted in as coisas, Lilac on junho 27, 2011 by meuparedro





Me diz,
tá difícil pensar direito.
Eu devo ir prá casa hoje, ou ficar aqui ?
Faz alguma coisa, acende a luz.
Isso.
Eu vou para a montanha hoje.
Não posso ficar aqui.
Eu preciso dormir.
Eu preciso acordar, de novo.
Não fecho meus olhos há tanto tempo.
Dormir.
“Nascer da cama e encontrar o sol”
Faz tanto tempo.



Posted in Lilac on junho 20, 2011 by meuparedro





Os portões da montanha abrem-se facilmente como a página do livro preferido. Uma vez lá dentro, meus olhos não precisam demorar-se em incertezas. As lembranças e a linguagem que criei para os momentos felizes são as coisas de cada dia.

Qual a necessidade de explicar ou fingir ser outro ?
Tudo ali me conhece e sabe de minhas preocupações e fraquezas.
Isso é o que pode acontecer de melhor – talvez o verdadeiro significado do paraíso: que não se espantem conosco nem nos exijam sucesso, mas simplesmente nos deixem entrar, como parte viva da Realidade.

Como as pedras na estrada, como as árvores.


Posted in Lilac on outubro 5, 2010 by meuparedro





Cidade fria, luzes cinzentas, nuvens de tráfego.
Os sorrisos semifalsos de todo dia.
Tédio, medo, desconfiança;
desapareçam.
Este lugar está longe de tudo isso.
Andando na floresta, eu escuto o lamento da araponga.
O trinado das cigarras, o som das folhas caindo;
a natureza nega os apelos obscuros da humanidade.

Ao pé da cachoeira, eu páro e descanso por um minuto.
Por toda parte, flocos dourados de sol cobrem o chão.
No cume da montanha observo o sol dar adeus a mais um dia
e espero sem medo pelas sombras da noite,
enchendo minha mente com lembranças do passado.

Eu compartilho o mistério selvagem do pio da coruja.
Eu acompanho o vôo cego do morcego.
A água corrente do rio me sussurra histórias
de lugares que eu nem imaginava,
embalando meu sono serenamente enquanto vence o tempo
em sua viagem ansiosa até o mar.





Posted in Lilac on agosto 24, 2010 by meuparedro


Ah estar vivo numa manhã como essa.
As margens do lago, descalço, calças enroladas.
Levando na mão meus velhos tênis.
Flocos de sol dissolvem as últimas teias de gelo.
Sussurros e ressonâncias naturais,
pedras que seguem caminhos tortuosos.
O ar gelado libertando coisas em meus pensamentos.
A música das águas, a música do corpo.
O cheiro do sol nos barrancos.
Eu juro fidelidade a tudo isso.

Eu juro fidelidade ao Reino da Montanha
e ás formas de vida que o compõe.
O ecossistema, a diversidade,
o pequeno universo sob o sol
onde cada elemento convive em harmonia.




Posted in idílios, Lilac on abril 5, 2010 by meuparedro





As estrelas esta noite estão sorrindo

e nos observam correr vagalumes

descabelados rindo e gritando

como se não existissem medos.

Entre as sombras das velhas árvores

sem fôlego voltamos à cabana

sorrindo de volta em gratidão

para cada estrela brilhante.





Posted in idílios, Lilac on março 23, 2009 by meuparedro





Foi uma vontade,
uma idéia de sair e estar com você.

Dia após dia escapando à tristeza,
o nó na garganta.

É estranho precisar desses momentos,
longe da balbúrdia das coisas ?

Você e eu, quietos aqui.

Passando o tempo, deixando estar.

Um dia tão quente, cheio de clamores.

O tempo do mundo correndo sem freios.

Você e eu,
você e eu e as árvores e o vento
Lá fora tudo passando.