O ar vazio do inverno.
As ruas pesadas, o desconforto em todas as coisas.
Em casa o gorgolejar da família levando a rotina, as cretinices na TV.
Os cheiros da cozinha e o ritmo do sistema.
Os símbolos da autoridade, esses calhamaços de leis e regras
que me atingiam toda manhã ao chegar na escola.
Por que só eu ?
O que eu tinha de errado ?
Os heróis e os ninguéns,
o primeiro amor da minha vida.
Quando beijar, quando deixar quieto, como se manter fora da confusão.
Eu nunca fui bom nisso.
Eu estava arrepiado a maior parte do tempo.
Não sabia se era medo, doença, aversão.
Eu nunca superei nada disso.
Eu apenas me acostumei.





Anúncios

5 Respostas to “”

  1. .

    E o costume nos torna tão escassos…. felicidade que a você ocorreu do tédio se tornar verso.

  2. Ai, Gil, doeu fundamente agora, pela capacidade de traduzir tanto, tanto.. se não tudo. Às vezes há nesse acostumar, para quem sempre esteve arrepiado, trêmulo da vida e das intensidades todas turbilhonando a cabeça e o coração, uma aparência de pesado cinismo que também chamo de bom senso, não sabendo dizer o que realmente é. Acho será assim para sempre, às portas do 30 tudo que consegui foi me adaptar em parte. É estranho falar de algo que não tem nome, ou muitos nomes, parece papinho besta, furado, de misturar tolamente palavras para se fazer de sensível.. O que eu sei é que busco a beleza dos versos, sobretudo versos assim como o seu, assim tão honestos, para fazer valer.

  3. Eu também, apenas me acostumei…bj Pattricia

  4. causou-me desconfortos, mesmo. consigo quase visualizar a angústia, chega a ser palpável. acontece com todo mundo, não é bom saber disso?

  5. terras de nenhú Says:

    Eu visito pouco as tuas páginas. E quando venho é com passos de gato, me tornando invisivel, mais presa que caçador. Porque receio me olhar nesse espelho, nesse lago, me afogar. E toda a minha angustia migra dos ossos para a pele, e leva um tempo danado pro coração desacelerar, e o rio secar, e eu poder prosseguir. Quero desesperadamente dizer, e
    só sai estrangulado gemido, comunhão viceral, amor dilacerado, união de abismos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: